André Tavares vence a 10ª edição do Prémio Fernando Távora_09 abril 2015

 

O arquiteto André Tavares  é o Vencedor da 10ª Edição do Prémio Távora com a proposta de viagem intitulada “Ruínas, ou o Livro de Arquitectura”.

O anúncio do vencedor teve lugar a 9 de abril, pelas 22h00, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Matosinhos. A sessão contou também com uma conferência sobre o tema “A Viagem” pelo escritor Valter Hugo Mãe. membro do Júri.

Escolhido por unanimidade de entre 23 candidaturas apresentadas, o trabalho de André Tavares “distingue-se por uma profunda originalidade”. O candidato propôs-se realizar “um percurso por edifícios e edições originais de livros em Roma, Vicenza, Paris e Londres, a fim de, através da história do livro de arquitetura, sintetizar a cultura arquitetónica europeia”. Uma proposta que foi “apresentada de forma enxuta e rigorosa”, considerou o júri, que foi ainda constituído pelos arquitetos José Manuel Botelho, João Luís Carrilho da Graça, Pedro da Rocha Vinagreiro e Luísa Távora, em representação da família do arquiteto Fernando Távora.

Com a bolsa de 6 mil euros do Prémio Távora, André Tavares irá realizar uma viagem de cerca de um mês, que passará pelas quatro cidades europeias atrás referidas. Trata-se, contudo, de “uma viagem a um lugar onde não se pode chegar”. Ou seja – diz o autor na sua candidatura –, “não é apenas uma viagem física, em que o corpo se transporta para um espaço e uma cultura estranha que se quer descobrir, nem sequer uma viagem imaginária, a um lugar que não existe e só pode ser sonhado. É uma viagem ao país dos livros de Arquitetura, uma viagem cujo curso navega entre páginas de narrativas e construções arquitectónicas”.

Nas edições anteriores foram vencedores os arquitetos: Nelson Mota, com a proposta “Viagem ao espaço doméstico e às cidades da burguesia do final do século XIX” (1ª edição), Sílvia Benedito com “Quadrícula Emocional – um urbanismo híbrido entre natureza e arquitetura nas cidades atlânticas portuguesas do século XVI” (2ª edição), Maria Moita com o trabalho “Arquitetura para o desenvolvimento. Intervenções de emergência e de permanência no sudoeste asiático” (3ª edição), Cristina Salvador com a proposta de viagem “Diário do Deserto – Namibe 2009″ (4ª edição), Armando Rabaça com “De La Chaux-de-fonds à Voyage d Orient – A promenade architecturale e o espaço/tempo em Le Corbusier” (5ª edição), Marta Pedro com a proposta “A Song to Heaven ou o Japão Sublime em Frank Lloyd Wright: da viagem de 1905 ao Legado na Arquitetura Moderna Japonesa” (6ª edição), Paulo Moreira com “Exploratório Urbano da Chicala: Um percurso alternativo pela topografia pós-colonial de Luanda, Angola” (7ª edição) e Sidh Mendiratta com “Domus-fortis in Æquator: A segunda vida da casa-torre de origem Europeia no antigo Estado da Índia” (8ª edição) e Susana Ventura  com “Expedição a uma arquitectura intensiva” (9ª edição).

O Prémio é organizado pela OASRN em parceria com a Câmara Municipal de Matosinhos e a CASA DA ARQUITECTURA, com o patrocínio da AXA.

 

Mais informações sobre o Prémio em www.oasrn.org

 

Recortes de Imprensa:

Público | 10 abril 2015