Coleções

Primeira Coleção do Acervo:

25 Anos de Democracia e a Arquitetura Portuguesa 1974-1999

João Belo Rodeia, Graça Correia, Ricardo Carvalho

 

Entre os mais importantes projetos em curso na Casa da Arquitectura – Centro Português de Arquitectura, conta-se a constituição de acervo projetual, documental e bibliográfico próprio, vocacionado para a proteção, salvaguarda e valorização de acervos de arquitetos e da arquitetura portuguesa, em particular do século XX (e XXI).

 

Para o efeito, sem prejuízo de aquisição, doações ou depósitos de acervos considerados oportunos ou pertinentes, foi decidido iniciar o acervo próprio com uma primeira dupla coleção enquadrada no período de 1974 a 1999, ou seja, inscrevendo-a nos iniciais 25 anos de Democracia em Portugal. Esta dupla coleção incluirá cerca de “200 projetos de referência”, acompanhada por outra de periódicos e catálogos no mesmo período, incidente sobre revistas de arquitetura e catálogos de exposições.

 

As razões que justificam esta decisão remetem diretamente para o intervalo temporal em causa, ainda pouco coberto pelo interesse acervístico em Portugal, embora muito significativo em quantidade, qualidade e notoriedade de projetos transformadores da cidade e do território, que emanam de um novo tempo sociopolítico e cultural no país. Ou seja, pretende estabelecer-se um panorama representativo da Arquitetura Portuguesa dos 25 anos de Democracia entre 1974 e 1999 que reflita a implicação da mudança de regime político na produção arquitetónica portuguesa e a implicação desta na construção e sedimentação democrática desde 1974. Ao ser assim, os “projetos de referência” são entendidos grosso modo no contacto ou relação que mantêm com estas implicações, bem como no respetivo conjunto de qualidades ou características desses projetos tomadas como modelo para o efeito.

 

Os critérios fundamentais para a proposta de coleção decorrem do mérito intrínseco aos projetos e de juízos de valor estritamente arquitetónicos, a par da pertinência temporal e do reconhecimento crítico-disciplinar e público no seu tempo e ao longo do tempo. Têm-se igualmente em linha de conta os autores (cerca de 100 previstos); a razoável distribuição em território nacional, entre continente e ilhas; a abrangência tipológica entre distintos programas na encomenda pública e não-pública; casos singulares ligados a momentos ou eventos marcantes; os tempos políticos e socioculturais do país traduzidos em três ciclos estruturantes, entre 1974 e o início dos anos 80, entre 1983 e o início dos anos 90, e entre o início dos anos 90 e o seu final; e, ainda, um conjunto seminal de projetos anteriores a 1974 e outro consequencial após 1999.

 

Esta coleção garante fortes possibilidades de investigação, de apresentação e de permuta, pois será qualificada e versátil, desde logo pelo mérito de cada projeto, pelo valor conjunto da coleção e por poder vir a proporcionar abordagens distintas por autores, geografias, tipologias, cronologia ou outras. Mas também por ser inédita enquanto matéria arquivística, ao equacionar uma narrativa panorâmica dos primeiros 25 anos da Democracia em Portugal, associada a uma coleção de periódicos e catálogos passível de distintas análises, reflexões e interpretações, bem como de posteriores adições.

A proposta desta dupla coleção encontra-se em fase de conclusão.

 

 

Coleção Arquitetura Brasileira

Guilherme Wisnik e Fernando Serapião

 

Com a intenção de ampliar e diversificar seu acervo, a Casa da Arquitectura – Centro Português de Arquitectura está compondo a ‘Coleção Arquitetura Brasileira’, uma iniciativa que jamais foi realizada nem mesmo no Brasil. A coleção contará com um conjunto de desenhos e modelos originais de projetos selecionados que irão constituir um panorama significativo da produção moderna e contemporânea. Entre as diversas funções da coleção, duas possuem relevo imediato: em primeiro lugar, ela auxiliará estudos de especialistas no tema, podendo ter seu acervo consultado por pesquisadores; em segundo lugar, a coleção terá a função de compor futuras exposições do acervo da Casa da Arquitectura, em Matosinhos ou em outros sítios.

 

A série em questão será integrada por 70 projetos de autores fundamentais para a compreensão da produção brasileira, sendo 20 deles integrantes do período moderno e 50 projetos que fazem parte do período contemporâneo. Além dos desenhos e modelos, a coleção contará ainda um braço auxiliar composto por uma biblioteca com 100 livros essenciais sobre o tema, que serão incorporados à biblioteca da Casa de Arquitectura.

 

A listagem geral de projetos está em fase de elaboração. O período moderno, compreendido entre as décadas de 1930 e 1970, é constituído por projetos de autores consagrados de gerações diversas e de várias partes do Brasil. Como, por exemplo, poderíamos citar Lucio Costa, Oscar Niemeyer, Affonso Eduardo Reidy, MMM Roberto, Sergio Bernardes, Roberto Burle Marx, Vilanova Artigas, Lina Bo Bardi, Rino Levi, Severiano Mario Porto, João Filgueiras Lima (o Lelé) e Paulo Mendes da Rocha. A maior parte dos desenhos originais destes autores estão no acervo de coleções públicas e privadas (faculdades, fundações e institutos), com quem os comissários, em nome da Casa da Arquitectura, irão propor um acordo a fim de acomodar em Matosinhos um acervo cópias completas de projetos selecionados.

 

A maior parte da coleção será dedicada à fase contemporânea, que compreende o período dos anos de 1980 até os dias atuais. Esta porção da coleção será constituída por criações de profissionais de gerações mais jovens e cuja produção está em plena atividade, como Marcos Acayaba, Brasil Arquitetura, Angelo Bucci, Andrade Morettin e Carla Juaçaba.

 

No caso dos livros, a ideia é compor uma biblioteca básica da arquitetura brasileira, que será integrada por obras em catálogo e volumes esgotados. Neste último caso, composto por autores e editoras desaparecidos, a missão dos comissários será buscar os volumes em estabelecimentos que comercializam obras esgotadas e raras.