CASA DA ARQUITECTURA abre na Real Vinícola em 2017

veneza_28_11_2016_news_

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Casa da Arquitectura abre em 2017

Projeto foi apresentado na “Biennale” de Veneza

 

A Casa da Arquitectura-Centro Português de Arquitectura vai abrir as portas no dia 16 de junho de 2017, em Matosinhos, com a inauguração da exposição “Poder Arquitectura”, comissariada por Jorge Carvalho, Pedro Bandeira e Ricardo Carvalho. A novidade foi anunciada em Veneza, Itália, na passada sexta-feira, durante a sessão de encerramento da Representação Oficial Portuguesa na 15ª Exposição Internacional de Arquitetura La Biennale di Venezia 2016.

 

A apresentação do projeto e do programa da Casa da Arquitectura-Centro Português de Arquitectura foi feita pelo diretor executivo da instituição, Nuno Sampaio, numa sessão realizada na Aula Magna do Instituto Universitário de Arquitetura de Veneza (IUAV). A cerimónia contou também com a participação dos comissários da exposição “Poder Arquitectura” e do responsável pelo programa paralelo à exposição, Roberto Cremascoli. Marcaram ainda presença, entre muitos outros convidados, o vereador da Cultura da Câmara Municipal de Matosinhos, Fernando Rocha, do presidente da Ordem dos Arquitectos, João Santa-Rita, a diretora Geral da Artes, Paula Varanda, e o reitor da IUAV, Alberto Ferlenga.

 

Com a Aula Magna da IUAV completamente cheia, tendo várias dezenas de pessoas ficado à porta, o diretor executivo da Casa da Arquitectura enfatizou a importância do projeto e o papel que o Centro Português de Arquitectura assumirá na defesa, debate, divulgação e valorização da arquitetura. “A Casa da Arquitectura-Centro Português de Arquitetura contribuirá para que a arquitetura possa cada vez mais assumir o papel que lhe cabe no contexto nacional e internacional, valorizando o melhor da sua produção na melhoria do ambiente construído e da qualidade de vida dos cidadãos, e relevando-a como recurso cultural estratégico de Portugal no Mundo e do Mundo em Portugal”, disse.

 

Durante a sessão foi ainda distribuído um jornal de apresentação do projeto da Casa da Arquitectura, em edição bilingue, bem como um vídeo promocional em que é possível perceber a dimensão do projeto que está a ser executado no quarteirão da Real Vinícola, em Matosinhos. A apresentação da Casa da Arquitectura-Centro Português de Arquitectura foi acompanhada por meios de comunicação nacionais e internacionais, tendo o jantar que se seguiu contado com a presença do presidente da Bienal de Veneza, Paolo Baratta, que sublinhou a profunda ligação de Portugal ao evento.

 

Refira-se ainda que a exposição “Poder Arquitetura”, que inaugurará o equipamento, apresentará quatro dezenas de projetos ilustrativos da relação da arquitetura com oito poderes que se alinham, infletem, divergem entre si e influenciam o modo como o mundo construído se ordena. Entre os projetos selecionados contam-se obras de, entre outros, Álvaro Siza, David Chipperfield, Eduardo Souto de Moura, Herzog & De Meuron, João Luís Carrilho da Graça, Manuel e Francisco Aires Mateus, Michael Maltzan, Oving Architekten, Peter Soderman, Paulo Mendes da Rocha, Rem Koolhaas, Valerio Olgiati, Vijitha Basnayake e Witherford Watson Mann.

 

Para além desta exposição, e do programa paralelo “Please Share”, que cruzará o debate sobre os poderes da arquitetura com outros domínios artísticos e com outras instituições nacionais e internacionais. Foram ainda apresentadas as mostras “Arquitetura Portuguesa de 1974 a 1999 – 25 anos de Democracia em Portugal”, coordenada por João Belo Rodeia, e “Coleção Arquitetura Brasileira”, comissariada por Guilherme Wisnik e Fernando Serapião, que também constam do programa dos primeiros meses de funcionamento da Casa da Arquitectura.

 

A sessão da IUAV incluiu também um debate que juntou Álvaro Siza Vieira e Alberto Ferlenga, tendo Nuno Sampaio e Fernando Rocha participado na visita guiada ao pavilhão português na Bienal de Veneza, dedicado a projetos de habitação social de Álvaro Siza Vieira em Veneza, Berlim, Haia e Porto. A representação portuguesa na Bienal de Veneza foi organizada pela Direção Geral das Artes e pela Ordem dos Arquitectos, sendo comissariada por Nuno Grande e Roberto Cremascoli.