Mais Eventos

“A CASA DA DEMOCRACIA: ENTRE ESPAÇO E PODER” INAUGURA A 17 DE FEVEREIRO

A Casa da Arquitectura (CA) – Centro Português de Arquitectura e a Assembleia da República inauguram no próximo sábado, dia 17 de fevereiro, às 17h00, na Galeria da Casa, a exposição “A Casa da Democracia: entre Espaço e Poder”, sobre a forma como se cruzam a transformação arquitetónica do Palácio de São Bento e a evolução política de Portugal.

 

A cerimónia conta com a presença do vice-presidente da Assembleia da República, Jorge Lacão, da presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Luísa Salgueiro, e do presidente da Casa da Arquitectura, José Manuel Dias da Fonseca.

 

Esta mostra corresponde a um momento inaugural do protocolo celebrado entre a CA e a Assembleia da República (AR) para o “Tratamento arquivístico dos projetos dos edifícios a Assembleia da República”.

 

“A Casa da Democracia: entre Espaço e Poder”, com curadoria de Susana Ventura, pretende dar a conhecer a um público mais vasto os vários espaços que compõem o conjunto edificado da AR e também estabelecer um pensamento crítico sobre as relações entre espaço e poder (ainda no seguimento da exposição inaugural da CA Poder Arquitectura) fundamentais para a disciplina da Arquitetura.

 

A atual Assembleia da República, assento do Parlamento Português, foi cenário e palco de importantes movimentos sociais e regimes políticos que determinaram o nosso destino histórico: a Revolução Liberal de 1820, que dois anos depois deu origem à primeira Constituição Portuguesa; a abolição da Monarquia e consequente implantação da República em 1910; a ditadura do Estado Novo e o seu fim, após a Revolução de 25 de abril de 1974, com a desejada restauração da Democracia.

 

A história que o edifício acumula é igualmente inseparável da história da arquitetura portuguesa, remontando ao final do século XVI, aquando da fundação do Mosteiro de São Bento da Saúde, desenhado pelo Arquiteto Balthazar Álvares e considerado um dos mais relevantes exemplos do estilo chão devido à sua monumentalidade e marca territorial, o que terá, certamente, potenciado a sua posterior adaptação a Palácio das Cortes.

 

As histórias entrecruzam-se ao longo dos séculos, estimulando uma compreensão que não deve ater-se à sucessão dos acontecimentos para procurar pensar o próprio sentido do que é o espaço político no nosso presente. O sistema político condicionou, por diversas vezes, a arquitetura do edifício (incluindo a coreografia dos corpos e a iconografia) e do pedaço de cidade onde se insere, enquanto a arquitetura, por sua vez, contribuiu para a criação e afirmação de um centro de poder ou da cidade enquanto espaço de liberdade.

 

A peça que ocupa o espaço central da galeria, desenhada por Luísa Bebiano, é um espaço elíptico. Num dos lados, apresentam-se algumas das hipóteses sobre a relação entre espaço e poder, cruzando as linhas temporais em elipses virtuais, e, no outro lado, expõem-se as fotografias de Paulo Catrica dos vários espaços da Assembleia da República que muitas vezes permanecem ocultos, revelando-nos, simultaneamente, o edifício institucional e o espaço comum de trabalho e debate.

 

“A vontade de promover uma estrita relação entre a arquitetura e a sociedade tem pautado a atividade da Casa da Arquitectura, incentivando a reflexão e a intervenção sobre a absoluta necessidade de a arquitetura voltar a assumir a dimensão social e política que perdeu nas últimas três décadas”, afirma o Diretor-Executivo da CA, Nuno Sampaio, realçando que se “inicia agora, com esta exposição, uma absolutamente nova e concreta leitura sobre a relação entre o exercício do poder e a arquitetura, expressa nas transformações operadas no edifício do Palácio de São Bento ao longo da história”.

 

Uma coorganização da Assembleia da República e da Casa da Arquitectura, também responsável pela produção. A Câmara de Matosinhos é parceira da CA e a empresa J. Pinto Leitão é mecenas da exposição. “A Casa da Democracia: entre Espaço e Poder” conta com o apoio documental do Arquivo Municipal de Lisboa mas também da Academia Nacional de Belas Artes, Arquivo Histórico do Ministério das Obras Públicas, Arquivo Histórico Parlamentar, Biblioteca Nacional de Portugal, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação Serralves, Museu da Assembleia da República e SIPA/DGPC.

 

A entrada é livre no dia da inauguração, depois será sujeita à normal bilheteira.