Mais Eventos

EXPOSIÇÃO DA X BIENAL IBEROAMERICANA CHEGA A PORTUGAL PARA A ABERTURA DA CASA DA ARQUITECTURA

Patente na Galeria da Casa até 4 de fevereiro 2018

Depois de uma itinerância que começou no Parque Ibirapuera em São Paulo, passou pela Trienal de Milão e mais recentemente por Sevilha, a Exposição da 10ª edição da Bienal Iberomaericana de Arquitetura e Urbanismo – X BIAU – chega a Portugal para a abertura das novas instalações da Casa da Arquitectura, onde estreia a programação da Galeria da Casa. A X BIAU vai estar patente até dia 4 de fevereiro de 2018.

 

Com o tema “Desplazamientos, Deslocamentos, Displacements” e comissariada pela dupla de arquitetos espanhóis ngela García de Paredes e Ignacio G. Pedrosa, a bienal recebeu, nesta edição, um total de 1.111 projetos, dos quais foram premiados 26 projetos, seis livros, duas publicações e uma coleção de ví­deos.

 

Muito marcada pela presença portuguesa, a exposição que agora chega a Matosinhos galardoou o arquiteto Eduardo Souto de Moura com o prémio Iberoamericano que distingue, em cada edição, um modus operandi consolidado no tempo.

 

O júri distinguiu Souto de Moura entre as 21 candidaturas inscritas a fim de reconhecer uma obra “cheia de emoção” e “o importante contributo de seu magistério nas universidades de diversos paí­ses”. Foram ainda valorizadas, na candidatura apresentada pela Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, as “enriquecedoras relações entre diferentes escalas, lugares e momentos” que as suas obras desenvolveram e a capacidade de experimentar novos materiais e estruturas.

 

Nesta edição há mais portugueses premiados cujas obras podem ser vistas na exposição. O atelier Aires Mateus, pela sede da EDP e pela Casa no Tempo, do Alentejo; atelier SAMI – um coletivo de Inês Vieira da Silva e Miguel Vieira, com a casa E/C no Pico, Açores; João Mendes Ribeiro, Cristina Guedes e Francisco Vieira de Campos pelo Arquipélago, Centro de Artes Contemporâneas, na Ribeira Grande, São Miguel, também nos Açores.

 

Dois livros de autores nacionais foram distinguidos na Categoria Publicações: “Uma Anatomia do Livro de Arquitectura” de André Tavares, da Dafne Editora e Canadian Centre for Architecture; e “A Idade Maior. Cultura e Tecnologia na Arquitectura Moderna Portuguesa” de Ana Tostões da FAUP Publicações.

 

A Bienal Iberoamericana de Arquitetura e Urbanismo é uma iniciativa do Ministério de Fomento do Governo Espanhol, que promove o intercâmbio de experiências entre os arquitetos e urbanistas dos paí­ses iberoamericanos assim como o debate sobre os grandes problemas que afetam a arquitetura e o urbanismo. Congrega 22 paí­ses sul-americanos mais Portugal e Espanha, cobrindo um território de 20 milhões de quilómetros quadrados onde vivem cerca de 700 milhões de pessoas.

 

Esta 10ª edição da BIAU conta com a colaboração do Consejo Superior de Colegios de Arquitectos de España (CSCAE) e da Fundação Arquia.

 

Os Comissários

 

Ángela Garcí­a de Paredes (1958) e Ignacio G. Pedrosa (1957) são arquitetos pela ETSA de Madrid em 1982, onde são professores de Projeto Arquitetónico.

O seu trabalho foi reconhecido com a Medalha de Ouro de Mérito na Belas Artes de 2014, o Prémio Nacional de Arquitetura Espanhola 2007, Prémio Europeu de Intervenção no Património Arquitetónico AADIPA, Prémio Eduardo Torroja de Engenharia e Arquitetura, Prémio Mansilla COAM, Mediterranean Sustainable Architecture Award, Gold Medal International Prize for Sustainable Architecture, Prémio Arquitectura Comunidad de Madrid, Ar+d Award for Emerging Architecture, Prémio Europan, Menção Honrosa Europa Nostra, Piranesi Prix de Rome e são finalistas do Prémio Mies Van der Rohe e do Prémio Aga Khan.

 

São autores, entre outras obras, da Prefeitura de Valdemaqueda, Teatro Valle Inclán, em Madrid, Museu Arqueológico de Almeria, Auditório de Peñi­scola, Espaço Torner em Cuenca, Villa Romana La Olmeda, Bibliotecas de Ceuta e Córdoba, e Auditorio de Lugo, todos eles primeiros prémios nas competições públicas.

 

Mais aqui

 

Nota de Imprensa X BIAU